Quantas vezes você já admirou um belo arranjo de flores? Já se perguntou quando a arte dos arranjos florais surgiu? Será que ele só deve ser dado em ocasiões especiais? Os arranjos de flores são feitos apenas para as mulheres? Estas são apenas algumas perguntas que podem existir na magia deste assunto, a respeito da origem dos arranjos de flores.

A história dos arranjos de flores vem de alguns milênios, e parece que está destinada a fazer parte da vida de cada pessoa, sejam homens mulheres ou crianças. No entanto, houve um tempo na sociedade que os arranjos de flores eram mais associados às mulheres; afinal, as flores são lindas e as mulheres tendem a ser adoradas como belas flores da natureza. Sendo assim, a cultura geral tende a pensar que as Flores nunca poderiam estar associadas com a masculinidade ou como símbolo de um exercício varonil. Mas se olharmos para a história dos arranjos florais descobriremos que tanto os homens, mulheres, chefes de estado, reis e mesmo alguns exércitos fizeram uso criativo da simbologia das plantas e Flores. Tenha certeza também que provavelmente vai existir um momento de sua vida que será marcado pela presença de uma flor.

Para termos uma visão melhor do assunto vamos começar com os antigos egípcios, onde existem registros históricos de 2.800 AC. Com o uso de flores e formas de arranjos florais. São ilustrações feitas em alto relevo, em pedra esculpida, deixados na história da humanidade, assim como na Arquitetura e decoração de paredes pintadas, sempre rica em detalhes de arranjos florais, uso de flores em  guirlandas, fazendo perfumes, na alimentação ou como analogia para os sentimentos expressos nas obras de Arte até os dias de hoje


Arranjos de Flores no Antigo Egito

Os antigos Egípcios (2800 AC a 28 AC.) utilizavam a decoração com arranjos de flores, adornos e motivos florais a muito tempo, sendo a mais antiga prática de arranjos florais e decoração com flores que se tem em registros históricos.

A arte dos arranjos de flores ou arranjos florais foi um componente muito importante na cultura Egípcia e os registros históricos indicam que era comum o uso de vasos com flores de corte, arranjos de flores, guirlandas, coroas de flores, cocares florais, colares, como também o uso de flores na decoração de eventos, cerimoniais, procissões ou simplesmente na decoração da mesa, do lar ou ambientes. Este fato pode ser observado nas flores de lótus esculpidas em relevo, em pedra, bem como nas decorações das paredes pintadas e estilizadas que existem até hoje. Poderemos notar também que até na Arquitetura as flores eram fonte de inspiração para esta antiga civilização, como nas colunas decoradas dos antigos templos.Decorações com lótus branco, friso em um palácio em Amarna (1352-1336 AC)

As flores estavam presentes no antigo Egito praticamente em todos os momentos, basta saber que a flor de Lótus (lótus do Egito ou lótus branco) simbolizava o Alto Egito e o Papiro representando o Baixo Egito. Por causa das regras formais da arte egípcia, o Lótus (Nymphaea lotus) consagrado para a deusa Ísis e o papiro são as plantas em destaque nesta civilização, descritos durante quase 2000 anos de forma quase que exclusiva. Esta flor aparece frequentemente nas antigas decorações egípcias..

Os antigos egípcios usavam nos arranjos de flores os recursos vegetais naturais da região do Alto e Baixo Nilo. Uma mudança sutil começa a aparecer somente durante a era ptolomaica (305-30 AC) onde foram encontradas receitas e gravuras de como fazer perfumes com flores, guirlandas com outros tipos de flores em adornos de múmias e mesmo alguns escritos da Grécia e Roma antiga descrevem que nesta época no antigo Egito existiu uma vida com maior variedade vegetal, mostrando que as plantas estrangeiras tinham sido introduzidas. Vinda da Pérsia, a lótus rosa (Nelumbo nucifera) também começou a ser cultivada no Egito, mas durante este último período a Rosa certamente era a flor que ocupava lugar principal nesta mudança. Também foi uma das primeiras civilizações em imortalizar as flores artificialmente, confeccionando peças com motivos florais em materiais duráveis, como por exemplo, o ouro.

A flor de flor de Lótus Branca era cultivada em lagoas e pântanos, sendo que as plantas mais populares entre os egípcios estavam incluídas o Papiro e a Palmeira. Como flores mais utilizadas, temos duas espécies nativas de lótus: o lótus branco (Nymphaea lótus) e a espécie azul, a sagrada Flor de Lótus (Nymphaea caerulea), Acácia, Papoula, Lírios, Rosas, Jasmins, Narciso e a Peônia entre outras.

Fatos interessantes sobre a flor de Lótus

A flor de lótus é citada em várias civilizações antigas como sendo uma flor especial. Para os Egípcios, o primeiro dos deuses emergiu do Caos inicial e da escuridão sobre uma flor de lótus, assim como acreditavam que a flor de lótus deu-lhes força e poder; restos da flor foram encontrados na tumba de Ramsés II.

O número 1.000 na antiga numeração egípcia é representado pelo símbolo do lótus branco.

Desta flor também era extraída a essência para a fabricação de perfume. Eles também usaram o lótus branco em guirlandas, para ofertas do templo e adorno feminino.

A flor de Lótus “Nelumbo nucifera” ou lótus sagrado é uma planta aquática que desempenha um papel central nas religiões indianas como o hinduísmo, budismo e jainismo.Flor de Lótus rosa – Índia. Está profundamente enraizada na cultura Asiática como símbolo da virtude, disciplina e pureza. Em ilustrações, a Deusa hindu Lakshmi aparece de pé sobre um lótus; em outra, Vishnu está sentado sobre uma flor de Lótus, usando uma coroa de broto de lótus, segurando uma flor lótus. A flor de Lótus Azul é a flor nacional do Sri Lanka.

Compartilhe:Share on FacebookShare on Google+Share on LinkedInPin on PinterestTweet about this on TwitterEmail this to someone

Posts Relacionados